Canela 30g - Kampo de Ervas

Canela 30g - Kampo de Ervas

  • SKU: KECHCN30
  • Disponibilidade: Em estoque
R$ 10,00
Corra! Apenas 13 restam no estoque!
Image

Calcular frete

Canela 30g - Kampo de Ervas

 

Classificação: Especiaria

 

Utilização na culinária: A canela é uma especiaria aromática, picante, com toques cítricos e de cravo da índia. Seu aroma é quente, adocicado, amadeirado e delicado, porém intenso. A parte utilizada são as cascas secas, em ramas ou em pó.

 

Muito usado no Oriente Média e na Índia, principalmente em pratos com carnes e legumes. Na Índia ainda é usada em diversas masalas ou misturas de especiarias, em chutneys e em pilafs condimentados. Os marroquinos usam muito em tangines de frango e de cordeiro, em ensopados para acompanhar cuscuz e para temperar bstilla (torta de massa fina e crocante recheada com amêndoas e pomba). Os iranianos usam bastante a canela para fazer khoresh (guisados que acompanham arroz). Os árabes usam canela  misturada com outras especiarias, damasco e mishmisheya, para fazer assados de carneiro.

 

O México é o maior importador de canela, que é usada para aromatizar bebidas com chocolate e café. Na América Central e na América do sul, é muito utilizada na forma de chá.

 

Combina com amêndoas, maçãs, damascos, berinjelas, bananas, chocolate, café, cordeiro, peras, aves e arroz.

 

Ela pode ser usada junto com cardamomo, cravo da índia, semente de coentro, cominho, gengibre, mástica, noz moscada com macis, tamarindo e açafrão da terra.

 

Pode ser utilizada em diversas sobremesas, pães, bolos condimentados, tortas de maçã, maçãs assadas e bananas fritas na manteiga e temperadas com rum. É um ótimo condimento para vinho quente, junto com cravo da índia, açúcar e fatias de laranja.

 

História: A canela é nativa do Sri Lanka e é a casca de uma árvore sempre verde da família do louro, que pode chegar até 9m de altura e possui flores numerosas. Possivelmente alcançou a Europa e o Egito no século V a.C. Por 200 anos, o monopólio sobre a canela foi controlado primeiro pelos portugueses, então pelos holandeses e depois pelos ingleses. No fim do século XVIII o monopólio não pôde mais ser mantido.

Canela 30g - Kampo de Ervas

 

Classificação: Especiaria

 

Utilização na culinária: A canela é uma especiaria aromática, picante, com toques cítricos e de cravo da índia. Seu aroma é quente, adocicado, amadeirado e delicado, porém intenso. A parte utilizada são as cascas secas, em ramas ou em pó.

 

Muito usado no Oriente Média e na Índia, principalmente em pratos com carnes e legumes. Na Índia ainda é usada em diversas masalas ou misturas de especiarias, em chutneys e em pilafs condimentados. Os marroquinos usam muito em tangines de frango e de cordeiro, em ensopados para acompanhar cuscuz e para temperar bstilla (torta de massa fina e crocante recheada com amêndoas e pomba). Os iranianos usam bastante a canela para fazer khoresh (guisados que acompanham arroz). Os árabes usam canela  misturada com outras especiarias, damasco e mishmisheya, para fazer assados de carneiro.

 

O México é o maior importador de canela, que é usada para aromatizar bebidas com chocolate e café. Na América Central e na América do sul, é muito utilizada na forma de chá.

 

Combina com amêndoas, maçãs, damascos, berinjelas, bananas, chocolate, café, cordeiro, peras, aves e arroz.

 

Ela pode ser usada junto com cardamomo, cravo da índia, semente de coentro, cominho, gengibre, mástica, noz moscada com macis, tamarindo e açafrão da terra.

 

Pode ser utilizada em diversas sobremesas, pães, bolos condimentados, tortas de maçã, maçãs assadas e bananas fritas na manteiga e temperadas com rum. É um ótimo condimento para vinho quente, junto com cravo da índia, açúcar e fatias de laranja.

 

História: A canela é nativa do Sri Lanka e é a casca de uma árvore sempre verde da família do louro, que pode chegar até 9m de altura e possui flores numerosas. Possivelmente alcançou a Europa e o Egito no século V a.C. Por 200 anos, o monopólio sobre a canela foi controlado primeiro pelos portugueses, então pelos holandeses e depois pelos ingleses. No fim do século XVIII o monopólio não pôde mais ser mantido.